Todas as ideias geniais pareceram estúpidas à partida.

23.6.10

♥ E falando de sonhos...

"Explicar a razão de ser de um sonho que acalentamos desde criança é quase tão complicado quanto explicarmos a essência de que somos feitos. Eu nunca quis ser polícia, artista de circo, super-herói. Nunca partilhei as vocações dos outros meninos porque eu, desde que me lembro se ser gente, que digo que quero correr o mundo. É este o meu sonho: correr o mundo.
(...)
Hoje, continuo a acalentar o mesmo sonho com a vontade redobrada de quem investiu e investe tudo o que tinha e tem nele! Toda a formação, todo o dinheiro, todo o tempo, o melhor de mim, mesmo nos momentos em que parece que nada faz sentido e em que equacionamos se não seria mais fácil, menos duro, sonhar outra coisa qualquer. O meu sonho tem um nome. Chama-se ONU e um dia, um dia, eu hei-de cumpri-lo…"
(...)
"Ora como eu não tenho onde cair morta [trabalho para o Estado, está tudo dito!] e estou longe de vir a herdar o que quer que seja, não me resta outra alternativa que não seja vender o recheio da casa. Portanto preparem-se, pessoas! Para além de livros, cds, colchas bordadas à mão, carteiras, frigideiras e panelas, tachos quase a estrear, serviços de loiça, copos e jarros, cristais e porcelanas, isto vai começar a parecer a Feira do Relógio. Preços amigos do cliente, artigos em belíssimas condições [como novo, senão mesmo a estrear], tudo na base da bela da transferência bancária para uma conta destinada para o efeito. O projecto, esse, chama-se: Take us to Bruges [eu e ao gato, of course!] e eu sei que vocês são bem capazes de me ajudarem a lá chegar."


Direccionem os vossos comentários ao blog da Maria, autora deste texto, é um desperdício aqui ;)

♥ Matilda | matilda.writing@gmail.com

2 comentários:

Maria disse...

Obrigada querida pelo carinho e pela divulgação.

:)

Mikas disse...

Muito bem, és uma mulher decidida, tens um objectivo e segues em direcção a ele.

Parabéns